terça-feira, 25 de junho de 2013

Salubre, salada, nos "ubre" da vaca.

A felicidade imposta, oposta à idade proposta para ser felicidade.
Teus cansados direitos, diretos, cruzados e risadas, temperos e roupas usadas.
Caminho devagar, a sola me dói e assola os passos antes firmes.

Saudades de sobrar um tempo.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Se clone fostes

Há um muro e há janelas, nelas por d'onde o sol entra, há pessoas e pelo menos pensamentos. Fomentos de sanidade na saudade de um momento de paz. Esquálido socorro aquele em que corro pra parada e o que nos espera é a noite, carregados e cansados somos entregues ao resto de um dia qualquer.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Cadavérica

Com vivo olho contigo, compartilho teus olhares, compreendo assim um sorriso meio de canto de olho. Mas que sentido tem esse semblante afastado? E que auxílio tenho eu no exílio que é a morte?
Tantos conceitos e certezas, sendo nenhum delas real. Ontem vi fotos de pessoas mortas, sentadas e ajeitadas, de olhos abertos e aquilo parecia normal. Cada época e o seu real.