quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Comfortably Numb

Tudo cai, culpa da gravidade dos problemas. Agrava a gravidez de uma nova cultura de cultos infantis. Eu idoso não caio nessa, escorrego é na bagunça no caminho deixada.

domingo, 14 de dezembro de 2014

"Quando avistei ao longe o mar, ali fiquei parada a olhar"

Song to Sing.

Suplico salpicão

My skin floats and I can not handle this because all I see is stranger for me.
These kings and queens, my skin, and everything stops suddenly.
Suffering for something I do not know, I walk in my mind in fast steps, carrying with me all that plastic feeling.
May I return?

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

All-in-one

Chovia e eu, de ônibus, voltava pra casa. Os vidros fechados causavam calor, então abri um tanto da janela mais próxima a mim. No mesmo instante vi que o vento não pegava em mim, ia direto para uma senhora no banco de trás. Pensei que tudo bem, afinal, calor ela também passava, porém, logo percebi que assim como o vento, a chuva, mesmo fraca, poderia estar chegando até essa tal senhora. Então virei para trás e perguntei se não estava "chovendo" nela. Ela disse que não e seguimos viagem.

A questão aqui é a seguinte, a senhora não sou eu, mas sente do mesmo jeito. Não sei expressar mas se um fosse todos, sentindo como todos, estaria feito! No momento que nos dividimos, um abismo se faz real e não me interessa mais tua situação, se bem ou mal. Isso me soa tão simples que chega a ser ridículo, mas já tomamos rumos em carros desgovernados, desenhados sem freio pra que nada obstrua o fim.