domingo, 12 de julho de 2015

O pós, tu se atrai?

Livrai-me do que é livre por direito.
Não compensa ser presença de corpo, que pensa e perde a vivência.

Não quero tudo ao seu lugar mas quero tudo ao meu alcance.
Quero poder mas não quero lutar.
Quero saber mas não quero o tempo a perder.
Quero ficar mas não quero dizer.

O tempo suave e lento me despe da carcaça já amarelada.
Toma conta de tirar cada detalhe e me fazer um todo novo.